segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Francisco Pedro de Abreu: O Implacável inimigo dos Farrapos

                                                      Império Brasileiro  
                                onde Moringue tomou armas e  defendeu os ideais
                             da Monarquia na Revolução Farroupilha e Guerra do Paraguai.
Por Cássio Lopes


Conhecido como “Chico Pedro” ou “Moringue”, Francisco Pedro de Abreu nasceu em Porto Alegre no ano de 1811, filho do Português Pedro Gomes de Abreu e Maria Alves Azambuja. Começou a aparecer e a distinguir-se desde o inicio da Revolução Farroupilha, como chefe legalista.
Na Guerra, foi muito ativo, valente e ardiloso, razão pela qual era respeitado e temido como homem de surpresas, que, aliás, deram-lhe muitas vitórias. Tomou armas em defesa dos ideais da Monarquia entrando para o serviço da legalidade, no posto de Major, sendo logo escolhido, para desempenhar arriscadas comissões de confiança, a que sempre deu o mais cabal desempenho.
Em 1º de setembro de 1838, foi atacado no Arrio Petim, por um corpo revolucionário sob o comandando de Amaral Ferrador, saindo vencedor e tendo recebido um ferimento.
Surpreendeu e destroçou, a 19 de setembro de 1839, no Arroio dos Ratos, o Coronel José Manoel Leão que ficou morto no campo de luta.
Neste encontro, foi prisioneiro e ferido por um golpe de espada no rosto, sendo bem jovem, o soldado José Ferreira da Silva Junior, que obrigado a sentar praça no exercito, serviu na Arma de Cavalaria, alcançando o posto de General.
Perseguindo o General Republicano Antonio de Souza Netto, surpreendeu-o, a 18 de junho de 1840 no Arroio Velhaco, nas raias do município de Cacimbinhas, fez alguns mortos e prisioneiros, entre eles o Coronel Affonso de Almeida Corte Real.
A 6 de agosto do mesmo ano, derrotou de surpresa perto de Capivari, um destacamento de revolucionários e a 25 de setembro aprisionou outro destacamento revolucionário em Roça Velha, sendo morto o comandante.
Depois de muitas marchas e contramarchas comandando isoladamente forças, o Tenente Coronel Francisco Pedro foi atacado em Santa Maria Chica pelo General Republicano João Antonio da Silveira e entrincheirando-se com a pouca infantaria de que dispunha numa cerca de pedra, ocasionou grandes prejuízos aos revolucionários que tiveram muitos mortos e feridos, dentre eles o comandante José Gomes Portinho, esta ação foi em 8 de junho de 1843.
A 27 do mesmo mês e ano aprisionou em Piratini os Coronéis José Mariano de Matos, oficial de engenharia, que mais tarde foi General e Ministro de Guerra da monarquia em 1864 e Joaquim Pedro Soares, um dos mais valentes vultos farroupilhas.
No porfiado combate do Cerro da Palma, a 16 de março de 1844, foi derrotado pelo Coronel revolucionário Antonio do Amaral.
Achando-se em Bagé o General Barão de Caxias Comandante-em-Chefe do Exército, tratando da paz e reconciliação da família Rio Grandense, Francisco Pedro, que de nada sabia, veio de Jaguarão a marchas forçadas, surpreendendo nos Porongos onde estava em descanso, confiando na palavra do chefe pacificador, o General republicano David Canabarro, em 14 de Novembro de 1844.
Terminada a Revolução Farroupilha, foi lhe concedido o titulo de Barão do Jacuí, pelos serviços prestados ao império.
Em 1849, D. Manuel Oribe preposto do ditador Rosas, de Buenos Aires, assenhorou-se do governo do Uruguai, perseguindo os estancieiros brasileiros, vexando-os e ameaçando-os de morte, tomando conta de mais de 100 estâncias cujos donos fugiam para não serem assassinados.
Revoltado por tantas injustiças e sendo uma das vitimas, o Barão de Jacuí, por um golpe de audácia, resolveu reunir e armar uma respeitável força, invadir o país vizinho. Porém o governo brasileiro, não admitiu essas reuniões que se concentravam sobre a fronteira de Quaraí e do Upamaroti, mandando as dissolve-las através dos Tenentes Coronéis Manoel Luiz Osório e Severino Ribeiro.
Mesmo Assim, a invasão deu-se e o experimentado Guerreiro Francisco Pedro conseguiu bater de surpresa e derrotar o Coronel Diogo Lamas, chefe militar do departamento de Salto, causando-lhe diversas mortes.
Também derrotou as cavalarias de Servando Gomes, no Arapeí, fugindo este, apoiado nas infantarias e por 4 bocas de fogo.
Essa cruzada reivindicadora teve o nome de Califórnia de Chico Pedro, e terminou em 1850, com a dispersão das forças.
Dia a dia, complicavam-se as relações internacionais do Rio da Prata e o Brasil viu-se obrigado a invadir o Estado Oriental em 1851.
Na organização dada ao exército em Santana do Livramento, pelo General Comandante-em- Chefe Conde de Caxias, em Ordem do Dia nº 15, de 28 de agosto daquele ano, foi o Coronel Barão de Jacuí, distinguido com o comando da 8ª Brigada de Cavalaria, composta da guarda nacional de Piratini, Pelotas e Jaguarão e de voluntários orientais.
Fazendo a marcha para Montividéu, expedicionou ao sul e a 11 de setembro de 1851, atacou e dispersou, nas imediações de Cerro Largo, a Divisão do Coronel Dionisio Coronel, das forças do Coronel Oribe.
Após a queda das tiranias de Rosas e capitulação de Oribe, em Montividéu, regressou ao seio da pátria.
No começo da Guerra do Paraguai, o Barão do Jacuí, reuniu uma divisão composta de pessoal da região serrana, da onde marchou para o exército de Uruguaiana, prestando seus serviços até a província de Corrientes, São Tomé, de onde regressou devido ao seu mau estado de saúde e avançada idade.
Faleceu no dia 6 de julho de 1891 em Porto Alegre.
                              

9 comentários:

  1. Mais um integrante de FAMÍLIA ABREU, que deu sua vida pelo Engrandecimento do Brasil!

    http://www.facebook.com/groups/cladosabreus/

    ResponderExcluir
  2. NA PARTE QUE DIZ : "Perseguindo o General Republicano Antonio de Souza Netto, surpreendeu-o, a 18 de junho de 1840 no Arroio Velhaco, nas raias do município de Cacimbinhas"fez alguns mortos e prisioneiros ", entre eles o "Coronel Affonso de Almeida Corte Real".
    -Existe este arroio velhaco em cacimbinhas ? tem muitos textos que diz que foi em Camaquã -RS ????? Tem alguma prova que foi em cacimbinhas ????Ja pesquisei muito sobre o fato, o que achei estranho é a ausencia de pessoas na região de Camaquã,COMO POR EXEMPLO O DONO DA PROPRIEDADE ONDE Corte Real FOI MORTO. casa da fazenda de Marcos Alves Pereira Salgado,??????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Roberto,
      Houve um engano, existe de fato um arroio chamado "Velhaco" em Pinheiro Machado (antigo Cacimbinhas). Esse arroio é conhecido também como "Torrinhas". No entanto, o "Velhaco" do episódio em destaque, realmente é o de Camaquã.

      Excluir
    2. Depois de muita pesquisa consegui esclarecer, CORTE REAL, NÃO FOI MORTO EM CAMAQUÃ, Foi morto numa emboscada, na fazenda Sant’ana depois nominada Fazenda da Barba Negra,
      O imóvel, ora falado foi concebido em 1783, ao galego João Gonçalves Salgado, Avô DE :
      Marcos Alves Pereira Salgado, esta se estendia pelas margens do Guaíba e da Lagoa dos Patos, região de:
      Barra do Ribeiro/Porto Alegre -RS
      A Fazenda Barba Negra – ainda preservada – é um tesouro rio-grandense e um local de rara beleza, onde nossa cultura e costumes estão ilustrados na arquitetura das casas e nos causos contados de geração para geração.
      Hoje a fazenda pertence a Celulose Rio Grandense.modelo de preservação histórico e ambiental.






      Barba Negra, na casa da fazenda de Marcos Alves Pereira Salgado, por uma força imperial, comandada por João Patrício de Azambuja. Segundo uma versão Corte Real teria reagido e sido morto com um tiro na testa,[1] outra versão menciona que confundiu a partida como sendo amiga e foi morto com um tiro de flanco que lhe atravessou os pulmões e o fez cair morto.[2]

      Esta sepultado na catedral da cidade de Viamão.
      Era irmão de Maria Joaquina, esposa do primeiro general João Manoel de Lima e Silva .Lamentavelmente morreu tragicamente aos 31 anos, ao ser atingido por duas balas imperiais quando adentrava a sede de uma fazenda .

      FLORINDA FLORA LEITE DE OLIVEIRA SALGADO - Faleceu a 3 de setembro de 1840. Era natural da Vila do Triunfo, filha de João Gonçalves Salgado e de Anna Maria Leite de Oliveira.
      Casou com o Capitão-mor André Alves Leite Pereira Vianna, de quem teve 6 filhos:
      Marcos Alves Pereira Salgado e João Alves Leite de Oliveira Salgado. Tinha os seguintes netos: André Alves de Oliveira Bello, Luiz Alves de Oliveira Bello, Cândido Leite de Oliveira Bello, Wenceslau de Oliveira Bello, Anna Flora de Oliveira Bello e Florinda Flora deOliveira Bello, filhos de Anna Flora de Oliveira Bello, casada que foi com o Brigadeiro Wenceslau de Oliveira Bello; Anna Florinda, filha de André Alves de Oliveira Salgado, casado que foi com Josefa de Tal, filha de Joaquim Domingues; Marcos e Maria Delfina, filhos de Marcos Alves Pereira Salgado; Maria Florinda, Maria das Dores e Anna Maria, filhas de João Alves Leite de Oliveira Salgado. (Fls 50v Liv 17
      http://www.fazendabarbanegra.com.br/site/restaurante/

      João Patrício Azambuja, sargento do coronel Chico

      Excluir
  3. https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_de_Almeida_Corte_Real

    ResponderExcluir
  4. ONDE DE FATO FOI MORTO CORTE REAL ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para saber o local exato onde foi morto Corte Real, entre em contato com o Núcleo de Pesquisas Históricas de Camaquã:
      http://www.nphcamaqua.com/

      Excluir
  5. Encontrei a certidao de casamento do Barao de Jacuhy Francisco Pedro de Abreu, seus pais eram: Pedro Jose Gomes de Abreu e Maria Angelica do Nascimento. Casou-se com Maria Amalia Brusque em 23 de marco de 1849.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim exatamente como diz no texo acima Maria Angelica Do Nascimneto ....Nascimento não é sobre nome é homenagem ...na verdade É maria Alves Azambuja>>>>>Atributos religiosos
      Aqui no Brasil estes sobrenomes feitos a Atributos religiosos são bastante popular e poucos sabem o significado.
      O sobrenome Reis, assim como tantos outros, não surgiu no Brasil, por uma simples razão de que o Brasil foi colonizado e habitado primeiramente por estrangeiros.
      Dessa forma, os sobrenomes vêm de outros países e acabam ganhando popularidade uma vez que os imigrantes fizeram do Brasil sua nova morada.
      O sobrenome Reis surgiu em Portugal no século XVII.
      Ele é criado em decorrência dos três Reis Magos que foram ao nascimento de Jesus.
      Nessa época, a igreja católica exerce uma grande influência sobre a vida das pessoas.
      O sobrenome em alguns casos era até mesmo acompanhado pelo nome de um dos três reis magos acrescido das Preposições da, das, do, dos e de,e da conjunção e.
      Assim, é possível encontrar, por exemplo:
      “JOÃO” Baltazar dos Reis,
      “JOSÉ” Gaspar dos Reis ou
      “PEDRO” Belchior dos Reis.
      Baltazar, Gaspar e Belchior , seriam os nomes dos três Reis magos.
      Mesmo com tanta popularidade na história, não se sabe ao certo quem eram essas três figuras importantes.
      Alguns historiadores cogitaram a hipótese que eles deveriam ser sacerdotes ou conselheiros, da Pérsia.
      Usado como nome de invocação religiosa, sendo portanto parte do nome próprio. O nome completo "Maria de Jesus" tem o mesmo número de sobrenomes que "Maria dos Anjos" ou "Maria Francisca"
      A resposta é simplesmente a tradição: até ao século XIX muitas mulheres portuguesas não usavam qualquer sobrenome. Chamavam-se "Maria Francisca", "Catarina de Jesus", "Teresa da Trindade”, ou seja:
      "Jesus", "Conceição" “Dores”, "Espírito Santo"”Assunção”, “Natividade”,” Fátima”,” Lurdes ou Lourdes”, “Salete”,” “Ramos”, Pascoal”,” Assunção”,” Nascimento”,” Natal”,” Visitação”” Anunciação”” Trindade”” Graça”,” Patrocínio”” Paz”,” Luz”,” Neves”.” Penha”” Dores”,” Bonfim”,” dos Anjos”” Santana”,” Santos”,” Cruz”. etc., independentemente dos sobre nomes de família.
      Entre os nomes religiosos, incluem-se nomes como Jesus, dos Reis (dia da Epifania do Senhor, o Dia dos Reis Magos), Ramos (Domingo de Ramos, o domingo anterior à Páscoa), Pascoal (da Páscoa), da Assunção (Assunção da Virgem Maria), do Nascimento (da Natividade da Virgem Maria ou o Nascimento de Jesus - Natal), da Visitação (Visitação da Virgem Maria), da Anunciação (Anunciação da Virgem Maria), da Conceição (Imaculada Conceição da Virgem Maria), Trindade (do Domingo da Trindade), do Espírito Santo (da Festa do Espírito Santo), das Chagas (proveniente da Festa das Cinco Chagas de Cristo), Graça (de Nossa Senhora da Graça), Patrocínio (de Nossa Senhora do Patrocínio), Paz (de Nossa Senhora Medianeira da Paz), Luz (de Nossa Senhora da Luz Divina), Neves (de Nossa Senhora das Neves), Penha (de Nossa Senhora da Penha da França, que em espanhol é chamada de Nuestra Señora de Penafrancia) das Dores (Nossa Senhora das Dores), Bonfim (de Nosso Senhor da Boa Morte), das Virgens (das virgens mártires), dos Anjos (proveniente dos arcanjos Miguel, Rafael e Gabriel), São João, Santana (Santa Ana), Santos (Dia de Todos os Santos ou Dia de Finados) e Cruz (o sobrenome mais comum entre os judeus

      Excluir